logo.png
  • Cardoso Júnior

Tick, Tick ... Boom! – EUA -2021


Não, você não precisa conhecer a Broadway, e nem ter assistido seus mega shows do passado nem do presente para simplesmente amar #TickTickBoom; essa mais que deliciosa homenagem ao teatro musical e a todos os visionários artistas que criaram esse tipo de arte absolutamente arrepiante. Ah, sim, também não precisa se fã de musicais para apreciar essa obra. Basta relaxar e deixar que ela o pegue e leve!

O diretor Lin-Manuel-Miranda, criador e protagonista de “Hamilton” (análise nº 1.410), faz um filme teatral sobre como produzir um musical dentro de um show autobiográfico do jovem e talentosíssimo compositor Jonathan Larson com tamanha paixão por seu empreendedorismo, ousadia, adversidades e ansiedades que, tudo nele fervilha em energética combustão através de um trabalho de edição memorável que nos faz saltar de um momento para outros num frenesi de nos roubar o folego.


Situado em um momento mundial complexo, em plena pandemia da AIDS, Miranda faz um trabalho riquíssimo em detalhes que reconstituem uma época de forma primorosa sempre retratando a música que ferve, salta, eclode e empaca dentro do jovem Larson, vivido de maneira sinergética por Andrew Garfield numa performance arrebatadora que mistura fragilidade cativante em meio a ambições e frustrações, sem pudor de bancar o tolo, o louco e o gênio, brindando-nos também com ótimos momentos de canto, dança e até mesmo quando rompe a quarta parede. Andrew, sem dúvida, se estabelecesse como um dos melhores e mais versáteis atores de sua geração. Andrew é Larson, Andrew é Tick,Tick...Boom!

A cinematografia segue o boom com uma câmera ansiosa, irrequieta, quase frenética para acompanhar as coreografias, e a paixão de Miranda pelo teatro brinda-nos ainda com um elenco de apoio estelar com rápidas participações de verdadeiras lendas dos palcos (não importa se você não as reconhece, elas estão lá), como a Vanessa Hudgens numa coadjuvação vocal e magistral entre rápidos momentos musicais (jamais cansativos), fazendo de Tick, Tick...Boom, em suas duas horas, uma dessas raras delícias que vão te encher de nostalgias e alegrias.