logo.png
  • Cardoso Júnior

Eu Te Amo, Agora Morra: O Caso Michelle Carter- EUA-2019

Atualizado: Ago 9


O tão doloroso quanto complexo e polemico caso de suicídio induzido por outrem e que, segundo a lei, configuraria em homicídio, é o tema do novo documentário da HBO. Exibido em duas partes, levanta inúmeras e preocupantes questões sobre a superficialidade do “amor” via WhatsApp, ampliado pelo alarmante panorama da imediatista e condenatória sociedade atual e, principalmente, os altos riscos que as redes sociais apresentam a jovens com inúmeras patologias e deixados a mercê da vida real por suas famílias disfuncionais.

Nessa condoída imagem real de uma juventude que se insere furtivamente no escapismo fantasioso coligando-se com outros “desesperados” online, para construírem uma, ou vários tipos de relacionamentos líquidos, roteiro e direção (que acompanham o julgamento e alguns desdobramentos), levam o espectador para um terreno arenoso onde reviravoltas produzem mais perguntas que respostas e que indícios alternam-se juntamente com as motivações.

Se virmos o rosto de um repulsivo, frio e perverso ser travestido de anjo libertador ou de pessoa gravemente doente, a construção do roteiro nos incumbe de avaliar mantendo-se na neutralidade documental de um espantoso tenebroso debate entre acusação e defesa digladiando-se no campo do crível, incrível, provável e descartável.

Basicamente realizado, sem maiores requintes técnicos, a direção tem a humildade e sensibilidade de perceber o poder de impacto das importantíssimas e maniqueístas provocações da ética versus moral na atual sociedade e de uma jurisprudência que até mesmo Salomão teria dificuldades de estabelecer.

Enfim, #IloveyounowdieTheCommonwealthVsMichelleCarter, com sua boa dose de suspense e mistérios chega-nos como grito de alerta a paridores: Não procriem se não cuidarão atentamente da prole.

Pela extrema relevância e urgência dos temas, #EuTeAmoAgoraMorra, recebe a cotação máxima.

Ps1: Disponível na HBO

TRAILER

#Documentário #HBO #EuTeAmoagoraMorra #Análise