logo.png
  • Cardoso Júnior

Ingrid Vai Para o Oeste- EUA-2017

Atualizado: Ago 18


O vencedor do Melhor Filme de Estréia no Spirit Awards 2018, é uma comédia de situação leve que, aos poucos, ainda que, despretensiosamente, vai nos inserindo em questões muito atuais, adentrando no drama ao provocar uma série de questionamentos sobre a relação dos jovens com as redes sociais, sobre a solidão e a necessidade de trocar, de substituir a realidade monótona da vida cotidiana pela aparentemente perfeita e glamorosa vida do outro.

O argumento que não chega a ser inovador, mas sem dúvida alguma é realista e original, peca ligeiramente no desenvolvimento, mas quem se importa quando o tema tratado é socialmente de estrema relevância a ponto de nos fazer lembrar de sentimentos, pensamentos e até de pessoas que, guardadas as devidas proporções, conhecemos por estarem imersas na superficialidade e na dubiedade das redes sociais onde criam um mundo de auto promoção e amparam suas carências afetivas no número de seguidores que possuem; a tal da celebridade digital.

Inteligentemente a narrativa vai expondo, não só a ingenuidade e a fragilidade dos jovens que se vêem atraídos pelos comportamentos e tendências expostas nas redes, mas, bem como, utiliza-se deste plot para alertar sobre os perigos da auto-exposição virtual normalmente pontuada por uma falsa noção de felicidade, mas também de ilusões e mentiras.

Embora leve e inquietante, “Ingrid Goes West”, transita por uma realidade do mundo moderno, oscilando entre humor negro, drama e até tragédia de uma realidade alternativa na qual os jovens cada vez mais se sentem presos e instigados ao pertencimento competitivo, a qualquer custo, do mundo das selfies deslumbrantes, das frases repletas de felicidade, e de um padrão de vida que, na maioria das vezes, é apenas tão ilusório quanto perigoso.

Por sua simplicidade cinematográfica bem no estilo “indie” e sua importância temática “Ingrid Goes West” precisa ser visto pelo público jovem e, principalmente, pelos pais como um alerta sobre um mundo do qual, cada vez mais todos fazemos parte.

PS: Infelizmente, uma obra com questões tão reais e profundas não tem previsão de estréia nos cinemas brasileiros, e chegará apenas através de serviços de streaming.

TRAILER


#Análise #Hollywood