logo.png
  • Cardoso Júnior

Steve Jobs- EUA-2015

Atualizado: Jul 31


Com tantos filmes e até documentários sobre Jobs (que já comentamos),fomos conferir mais um. Diferentemente dos trabalhos anteriores que focam bastante nos “lançamentos Apple”, este, ainda que nos apresente 3 grandes “momentos bastidores” dos lançamentos, (com direito a alguns flashesbacks), utiliza-se deles para aprofundar-se na personalidade do mito colocando-o no epicentro cênico. Com um enfoque bastante teatral em todos os aspectos, centra a narrativa em uma profusão de diálogos velozes, nem sempre fáceis de serem acompanhados, tamanho o embate verbal entre os personagens. É tudo muito rápido, talvez tentando acompanhar a pressa do protagonista. São duas horas de belos e ansiosos enquadramentos de uma câmera frenética buscando acompanhar o ritmo frenético de uma vida que pretendia mudar o mundo...e mudou. Podemos dizer que Fassbender absorveu de maneira tão integral sua personagem que, já no último ato, adquire uma semelhança física notável com o “homem.”, tornando-se o ator que, por toda composição, mais se aproximou do retratado. A contra partida, fica por conta de uma magistral Winslet que chega estar irreconhecível nos primeiros momentos. A cinebiografia dirigida pelo genial Danny Boyle, que excluiu efeitos visuais e investe pesado na atuação teatral, configura-se em um roteiro diferente do gênero com sua estrutura narrativa atípica e, tecnicamente irrepreensível. O retrato do homem arrogante e frio que Boyle nos apresenta, felizmente, nos concede também a redenção, ainda que, nos últimos frames do último ato. Vale muito como filme de atores no auge da arte da representação cênica.

TRAILER

#Hollywood #Análise #Oscar2016