logo.png
  • Cardoso Júnior

Transtorno Explosivo – Alemanha - 2020


O representante da Alemanha no Oscar 2020, que só agora ficou disponível, é um drama sobre fracassos e perseveranças retratado através da menina de nove anos com violentos ataques de raiva diante de qualquer contrariedade a ponto de tornar-se um perigo para si mesma e para todos que a circundam desafiando as regras do sistema educacional alemão.

Durante seus 120 minutos, a diretora e roteirista Nora Fingscheidt coloca-nos a acompanhar as agruras dessa garota incontrolável com seu misto de doçura infantil versus explosões intempestivas e dos poucos que ainda tentam encontrar solução para seu comportamento instável antes que o manicômio seja seu destino uma vez que, a mãe, a considera um perigo para os irmãos mais novos.

O curioso roteiro felizmente foge das achatadas soluções hollywoodianas (o professor que resolve, o lar que acolhe, o medicamento redentor, a fé que transforma e etc, etc, etc) uma vez que, trata-se de estória sem soluções aparentes e ou mágicas uma vez que a opção pelo realismo impede o descabimento de conclusões seminais optando por deixar-nos com a grandes incógnitas dos porquês e do como.

A cineasta acerta nas tremidas tomadas com a câmera da mão para retratar as crises, acerta na naturalidade da fotografia e prima pela montagem imprimindo a linearidade de seu roteiro o ritmo explosivo de uma bomba relógio sempre pronta e prestes a explodir num universo composto de personagens tão plausíveis quanto complexos desenhados por atuações irrepreensíveis.

Assim, # SystemCrasher, com sua irretocável produção e interessantíssimos subtextos sobre limites familiares e educacionais, mesmo que demore um pouco a amarrar seu desfecho, tem o grande mérito de diferenciar-se de narrativas sobre infâncias problemáticas provocando ao máximo a empatia do público.



Ps1: Distribuído pela #IMOVISION, disponível em VOD.