logo.png
  • Cardoso Júnior

Nós Duas – França- 2020

Atualizado: 2 de Dez de 2020


Quando insisto que cinema bom é apenas uma estória muito bem contada independentemente do tamanho dela, é porque é e, #NosDuas, chega pra demonstrar que roteiro bem desenhado aliado a boa execução da narrativa acrescido de interpretações verídicas resulta em filme poderoso.


E sim, esse é o caso do representante da França no Oscar 2021, #Deux, que lança um olhar sério e intimista sobre uma geração habituada a esconder suas preferencias amorosas e camufla-las sob padrões normativos impostos pela sociedade e a imensa dificuldade em romper com aparências bem construídas em prol da felicidade do eu independente de opiniões/repressões familiares e ou sociais.


Focando o epicentro dramático em duas mulheres na terceira idade exercendo amplamente não só uma relação amorosa de décadas bem como apresenta-las como pessoas em franca atividade sexual, no auge de seus sonhos e desejos, o diretor italiano, Filippo Meneghetti, em seu primeiro longa ficcional, roteiriza e registra de forma íntima um tema pouco mostrado pelo cinema que, se não é único, o é pela abordagem que permite o expectador uma imersão profunda nas emoções que permeiam um relacionamento apaixonado e apaixonante.

Esgueirando-se totalmente do melodrama e de clichês de gênero, o roteiro mistura em doses perfeitas elementos do drama com oportunas pitadas de comédia que suavizam o primeiro e cria também um inteligentíssimo suspense de dar nos nervos mesclando com maestria e ótimo ritmo as alternâncias de gênero e ainda inserindo com comedimento uma curta subtrama importante.

Por certo, a genialidade do enredo, da direção e da trilha, necessitaria de atrizes a altura e a francesa Martine Chevallier (Não Conte à Ninguém), e a alemã Barbara Sukowa (Hannah Arendt), estão magníficas nesse belo conto sobre separações que fazem nosso coração doer e temer que o clímax procure o caminho do trágico tão comum ao gênero, algo que o lindo roteiro se desvia de forma magnífica.

Assim, #TwoOfUs, que nos conta sobre segredos e mentiras e as consequências deles, também nos fala sobre a negação de garantias conjugais diante de preconceitos familiares configurando-se num cinema de arte decididamente contundente, delicado e lindo.



TRAILER