top of page
logo.png
  • Foto do escritorCardoso Júnior

A Terra Prometida– Dinamarca-2023


O candidato da Dinamarca ao Oscar 2024 e, já incluso entre os 15 Melhores Filmes Internacionais,  é do diretor e roteirista dinamarquês, Nilolaj Arcel, que já nos havia dado o premiado “O Amante da Rainha” em 2012, e baseia-se em um romance histórico para criar sua vigorosa versão do livro criando um verdadeiro épico de época recheado de infames jogos políticos, questões de classes, abuso sexual, trabalho escravo com fortes conotações racistas, partindo de um plot simples para retratar inúmeras situações vivenciadas pela desigual sociedade dinamarquesa lá pelos idos de 1700.

Será que alguma coisa mudou no mundo ou só abrandaram ou mesmo se camuflaram? Se tanto, dependendo da região... eu diria que nem isso.


Bom, isto posto, #ThePromisedLand, além da abordagem dos temas acima, ainda abre espaço para um romance em meio a tantos infortúnios e faz um mais que brilhante estudo de personagens, focando mais na jornada do protagonista, envolvido em seus dilemas e sua discreta, mas gradual evolução para entender que os verdadeiros valores da vida não estão nem na obstinação, nem na materialidade e nem em cargos e poder, aproveitando para fazer um belo paralelo e contraponto com o vilão da história.


Sim, o roteiro é brilhante e a mão do diretor conduz com firmeza o guião da narrativa em seus 130 minutos enriquecida pelo potente elenco que nos apresenta interpretações soberbas destacando-se, é claro, Mads Mikkelsen num trabalho extremamente minimalista e magnético onde todos se empenham pelo controle de uma terra esquecida por Deus, mas nunca pelo rei, formatando uma belíssima e emocionante história de sobrevivência a qualquer custo e danos.

#ATerraPrometida é um tipo de cinema autentico que raramente se faz mais equilibrando os infindáveis desafios humanos com muita tensão e comoção sem jamais apelar pelo melodramático.



Tecnicamente, a fotografia em widescreen é belíssima misturando grandes planos abertos e plúmbeos com impressionantes cenas noturnas perfeitamente visíveis captando e transmitindo-nos a aura de cada cena enquanto a orquestral trilha sonora amplia a potencialidade épica da produção e o requintado designer de produção /figurinos da um show, ao separar a perfeição os contrates entre a opulência e a pobreza.


Assim, com roteiro firme, técnica perfeita e atuações memoráveis. “A Terra Prometida” é a reconfirmação do poderoso e sempre ótimo cinema dinamarquês, compondo um drama histórico com autentica arte cinematográfica repleta de uma vitalidade que a insere no presente e nos corações da modernidade fílmica.



Comments


bottom of page