logo.png
  • Cardoso Júnior

Catarina, A Grande- Reino Unido-2019

Atualizado: Ago 9


A grande responsável pelo aprimoramento e agigantamento das séries televisivas, a HBO, após o retumbante sucesso de público e critica de “Chernobyl” (Análise nº 1.063) , investe agora em um potente drama histórico de proporções artísticas tão impressionantes quanto deslumbrantes.

Realizada por Philip Martin (The Crown), escrita por Nigel Williams (hábil adaptador de biografias), a saga do reinado da imperatriz Catarina da Rússia, contada através de uma história de amor, não apenas abrange esse aspecto como também, aproveitando-se dos inúmeros boatos difundidos após sua morte (por seu filho), trafega pelas inevitáveis intrigas palacianas centrando o foco no empoderamento de uma mulher culta que, a despeito de todos os preconceitos de gênero conseguiu não só manter o poder com mãos férreas e, a despeito de todas as críticas, amou abertamente sem vergonha de fazê-lo. Embora o cerne seja a relação(s) amorosa(s) da rainha, há muito que se aprender (sem didatismos), sobre a expansão do império Russo e sobre uma Europa em plena revolução de idéias e ideais.

Evitando com galhardia parecer uma “Guerra dos Tronos” as belíssimas cenas de batalhas são breves (ufa!), centrando-se muito mais na diplomacia, causas e conseqüências dos conflitos enquanto o roteiro tem ótimos diálogos com boas pitadas de acides, vilania e até alguns muitos palavrões, mas são as estonteantes tomadas externas muita das vezes em luz natural e a deslumbrante fotografia de opulentos interiores, sempre pigmentadas em ouro-velho e, não menos extasiantes figurinos e adereços que fazem de #CatherinetheGreat um fulgurante espetáculo visual.

Não obstante, a inigualável Helen Mirren (A Rainha), é a rainha epicentro hipnótico de todas as cenas e há que se lamentar a gritante falta de química com o australiano Jason Clarke nessa gigantesca produção que nos leva para dentro da corte russa do século XVIII, repleta de luxúria, romances, intrigas e disputas pelo poder fazendo com que #CatarinaAGrande seja, finalmente, apresentada ao mundo com toda a complexidade de uma mulher muito a frente de seu tempo. Nos vemos no Emmy 2020.

Ps1: O Narrador ou era dispensável ou merecia melhor desenvolvimento

Ps2: Disponível na #HBO

TRAILER

#Minissérie #ReinoUnido #Análise #2019