logo.png
  • Cardoso Júnior

A Dama Dourada - Inglaterra -2015

Atualizado: 15 de Ago de 2020


Por fim, eis um trabalho digno de ser chamado de cinema por todo conjunto da obra. Partindo de uma história verídica, que poucos conhecem, e falando sobre dramas da segunda guerra mundial - a perseguição os judeus na Áustria- , encontra uma ótica única ao abordar o tema de forma singular e espetacularmente bem desenvolvida em todos os aspectos fílmicos. Não retirar o peso da mazela Nazista, mas trazer o foco para uma luta internacional pela arte e pela justiça é um dos maiores méritos de um roteiro ágil, simples, e que amarra todas as pontas. Por tais atributos, torna-se fácil ao expectador transportar-se e acompanhar com máximo interesse dois períodos distintos da história mundial e reparar na primorosa reconstituição de época e figurinos.

Como se não bastasse uma história muito bem contada (sinônimo de cinema), ainda nos deparamos com uma personagem que assenta como uma luva na sempre magistral, Dame Helen Mirren, (indicação ao Oscar aqui), que doura cada frame com elegância, dignidade e algumas pitadas de humor. Ryan Reynolds, seu coadjuvante, não foi a melhor opção, mas não chega a comprometer e até se esforça com louvor. A presença do ótimo Daniel Brühl só vem reforçar a força do elenco que, inexplicavelmente, tem uma Katie Holmes fazendo papel de nada com coisa nenhuma. Algo a se notar com competência autoral é o acerto em não tentar “remoçar” Mirren em seu passado e a inclusão de outra atriz para o período. O recurso só deu maior credibilidade a tudo. Poucos diretores conseguiram trabalhar de forma tão harmônica e acertada com o muito desgastado recurso dos flashbacks. Por fim, ao trazer de forma muito bem realizada, a triste história do aviltante saque nazista sobre obras de arte, Woman in Gold é um trabalho respeitável que fará o expectador não perceber o tempo que levou para acompanhar o longa. Dizem que estréia no Brasil agora em Agosto, portanto seria um presente para os cinéfilos se nenhum homem...formiga ou congêneres roessem essa magnífica e cada vez mais rara oportunidade de ver cinema com C maiúsculo.

TRAILER

#Europa #Análise