logo.png
  • Fábio Ruiz

Pieces of a Woman – Canadá – 2020


#PiecesOfAWoman narra as agruras de um casal, e suas famílias, após a perda inesperada de sua filha imediatamente após o parto. O texto, sensível, consegue, como um periscópio, acompanhar as avassaladoras consequências na protagonista e em seu entorno, acerbando ou reavivando questões pré-existentes em todas as personagens, indiferenças, vícios, preconceitos, entre outras idiossincrasias. A narrativa falha ao evidenciar um tanto de abusos físicos do marido, sem explicitar que a indiferença e a exclusão, em relacionamentos, são também formas de abuso, às vezes, mais viciosas do que o físico, e por não questionar ou criticar preconceitos de diferenças socioeconômicas, culturais e intelectuais em um casal, levando-os a cabo, como a ação acertada, livrando-a do problema, por uma elite que se considera intelectualmente superior, mas moralmente questionável, e a redenção e união familiar aparente no final apenas reforçam os duplos padrões da sociedade atual.

A direção de Kornél Mundruczó é ótima, especialmente na sequência do parto, mas decai discretamente após o título. Vanessa Kirby, em atuação brilhante, consubstancia muito bem as ações de sua personagem, mesmo as controversas, e Ellen Burstyn também brilha, como sua mãe, pelos mesmos motivos. Shia LaBeouf, em sua melhor atuação, demora um pouco para entrar na personagem, e não compromete o resultado final, mas também não é digno de nomeações ou premiações, como Kirby e Burstyn. Os quesitos técnicos mantém o alto padrão da Netflix, destaque para a música que tonaliza os conflitos da dramaturgia.

Pieces Of a Woman, um filme sensível, sobre tópico delicado,que suscita questões interessantes como a segurança de partos em casa realizados por parteiras, entre outras. Vale muito conferir.





TRAILER