logo.png
  • Cardoso Júnior

Irmã- China-2019

Atualizado: Ago 9


Em seus exíguos 8 minutos, o curta de animação finalista no Oscar 2020 apresenta-nos através de muita simplicidade e, através de bonecos de feltro em stop motion, uma estória bastante singular (talvez nunca contada), sobre a política de um filho apenas na China nos anos 90.

Com um narrador que pontua as graciosas imagens, a escritora, diretora e modeladora chinesa Siqi Song (Missing Link- análise nº 1.192), direciona sua narrativa para um público alvo, mas acerta em todos ao tratar de um tema nacional, porém com ramificações mundiais que é a “perda forçada” de crianças impedidas de nascer.

Embora, dito assim, pareça dramático e é, a animação contendo cenas cotidianas é cheia de graça, leveza e imaginação com uma musicalidade gostosa e paleta de cores cinza com pontuações coloridas emprestando aos personagens um toque de maciez muito gostosa. Parecem flocos de algodão doce e dá vontade de comê-los.

Assim, #Sister através de seu nostálgico narrador vai nos enredando no seu cativante imaginário até cortar o cordão umbilical e nos emocionar com sua dedicatória conclusiva.

“Dedicado aos irmãos que nunca tivemos” Leve e profundo.

Curtam curtas!

Ps1: Disponível em VOD

#Curta #Oscar2020 #China #Análise