logo.png
  • Cardoso Júnior

Um Garoto como Jake – EUA-2018

Atualizado: Ago 21


E se você percebesse que seu único filho, de apenas quatro anos, prefere as princesas dos contos de fadas do que carrinhos de brinquedo? E se ele preferisse usar saias dentro de casa, como você lidaria com essa situação?


E é exatamente essa questão que a produção indie de "A Kid Like Jake", lançada no Festival Sundance deste ano, baseada na peça teatral de mesmo nome pretende tratar. Aqui, antes de mais nada é preciso deixar claro que não há nenhuma semelhança com o ótimo “ Minha Vida em Cor de Rosa” (1996), nem tão pouco com o também ótimo “Tom Boy” (2011), uma vez que, o menino em questão e suas preferências pouco ou quase nada aparecem em tela ficando por conta dos pais narrarem ou mesmo discutirem sobre o drama. Sim, é um drama, mas nada lacrimoso nem emocional.

Na verdade, essa franja ambígua pela qual trafega o roteiro, evita de todas as maneiras a palavra transgênero ou mesmo identidade de gênero de forma pertinente uma vez que, mesmo os amorosos e esclarecidos pais, estão aprendendo a lidar com o fato e ainda se perguntando se não é apenas uma fase que a criança atravessa e se negando a rotulá-la de alguma forma. Deixar que a criança se expresse livremente ou reprimi-la? Mas, tudo é tão novo quanto os 4 aninhos de Jake e todos ainda estão perdidos e em busca de fazer o que é certo e melhor para o filho, sem um manual de instruções. Quem tem?

Assim, o diretor Silas Howard transita de forma simples e honesta pela questão da parentalidade muito bem amparado por fortes interpretações de Jim Parsons (The Big Bang Theory) e Claire Danes (Homeland) e um bom elenco de apoio que inclui a sempre ótima Octavia Spencer que “intermédia” o momento crucial de apresentar o filho para o mundo matriculando-o numa escola. Sim, todo o foco está nos pais nervosos que enfrentam a questão contornando-a com muito medo até a explosão climática entre eles que acaba por ser a melhor cena do longa.

Tecnicamente muito simples nos quesitos cinematográficos, “Um Garoto como Jake”, infelizmente, vai deixando sua força emocional na medida em que se debilita e se confunde na construção e na entrega da mensagem que pretende passar, perdendo a oportunidade de saltar para o patamar de filme importante ficando no meio de um caminho entre um drama atual com um tema interessante que não chega a emocionar

TRAILER




#Sundance #Hollywood #Análise