logo.png
  • Cardoso Júnior

Vicio inerente - EUA-2014.

Atualizado: 13 de Ago de 2020


Tendo passado pelo Oscar 2015, e sendo do genial Paul Thomas Anderson, é igualmente genial para quem está acostumado / gosta dessa assinatura fílmica indelével. Recheado de personagens enigmáticos preenchendo uma trama que vai se complicando a ponto de quase perder o sentido, desafia o expectador a apostar ou pelo menos tentar optar por algumas das muitas vertentes ou possibilidades apresentadas enquanto, genialmente, provoca nas horas certas, genuínas gargalhadas para refrigério do cérebro. Essa viagem aos anos 1970, envolto em fumacinhas de um baseado aqui e outro ali também, com um elenco que funciona às maravilhas dentro da proposta cênica, se encaixa perfeitamente na qualificação “ame ou odeie”; pois é Paul Thomas Anderson apresentando seu melhor trabalho. Quase pirei, mas amei e agradeço a viagem ! Para os Amigos Acadêmicos deixo a dica: Nada é o que parece ser..... ou será que é ?

TRAILER




#Hollywood #Análise #Oscar2015