O Orfanato da Srta. Peregrine Para Crianças Peculiares - EUA-2016.

8 Oct 2016

 

Embora não faça parte da nossa linha editorial comentar blockbusters, um Tim Burton, exatamente por ter uma carreira bastante oscilante, sempre vale uma espiadela.

 

Com essa mais nova adaptação de outro romance, pode-se entender como um quase retorno ao seu estilo sombrio / fabulesco, abandonando a linha mais realista do grande último acerto que foi “Grandes Olhos”. Ok, ainda que fique no meio do caminho entre os dois estilos tão díspares, fica notória sua assinatura nesse trabalho.

 

Como não lemos os livros, não podemos fazer comparações entre as duas formas narrativas, mas fica claro que a história vem de encontro a estética do diretor ou vice versa.

Quanto a roteirização, fica claro que são personagens demais e que, forçosamente, seria necessário o não aprofundamento neles e optar pelos que, em tese, poderiam conduzir a narrativa ainda que isso possa gerar algumas muitas frustrações.

 

Talvez a opção pela lenta construção do primeiro ato, tenha obrigado a deixar em aberto e no raso alguns personagens bem interessantes e, embora o segundo ato acelere bastante, já não é mais possível o resgate de figuras tão...peculiares.

 

A inteligente abordagem de não atribuir super poderes aos personagens (alguém aguentaria outra leva de super poderosos?), funciona bem tornando-os mais críveis ainda que dentro do incrível, humanizando-os em sua jornada entre um mundo e outro.
Tecnicamente olhando, todo o designer de produção é irrepreensível somando positivamente para a obra mesmo que não haja nenhum destaque interpretativo ou mesmo carismático ainda que conte com grandes nomes no elenco.

 

Por falar em elenco, a nota triste fica por conta da minúscula e insignificante participação da grandiosa Judi Dench que poderia ter-se poupado de algo tão abaixo de seu reconhecido talento.

 

Então, “Miss Peregrine's Home for Peculiar Children”, que insere algumas situações pseudo-cômicas para descontrair durante sua longa exibição, é apenas uma distração tão bem feita quanto esquecível; uma fenda atemporal na carreira do diretor, mas que fomenta e desperta a vontade de mergulhar no livro, certamente muito mais rico em necessários e curiosos detalhes.

 

 

TRAILER

 

 

Please reload

© 2018 por ACADEMIA DE CINEMA. Criado por Matheus Fonseca, todos os direitos reservados.

  • Facebook Social Icon
  • Twitter Social Icon
  • Instagram-v051916_200

CURTA-NOS NO FACEBOOK