logo.png
  • Cardoso Júnior

Marlina, Assassina em Quatro Atos – Indonésia – 2017

Atualizado: 7 de set. de 2020


O primeiro filme indonésio a disputar a ‘Quinzena dos Realizadores’ do festival de Cannes, e representar o país no Oscar 2019, é o longa da diretora e corroteirista Mouly Surya que, através de roteiro simples, com pinceladas de absurdo, utiliza de potentes metáforas para exercer importante e inteligentíssima denúncia sobre a abjeta subserviência das mulheres por aquelas distantes plagas.

Em 1 h 30 m de duração, acompanhamos a incrível jornada de vida de uma jovem viúva em meio a um mundo machista onde, nem mesmo o direito a parcas posses que lhe ficaram do casamento, lhe é permitido e, que, por não ter mais um homem a quem pertencer, se torna objeto vulnerável a todo tipo de violência ( psicológica e física), que vão num “crescendum” aterrador.

Lidando equilibradamente com suspense, terror e o macabro (como metáforas situacionais), o brilhante e inteligentíssimo roteiro situa a ação num cenário muito pobre e muito árido, levando-nos ao encontro de outras personagens femininas que, casualmente se juntam a protagonista tão somente por pertencerem, inconscientemente, dentro desse universo social onde o chauvinismo abusivo impera em todas as esferas.


A direção é felicíssima na escolha da incrível trilha sonora e da belíssima fotografia em tons de amarelo terroso ao captar, através de planos abertos e planos sequencias, desde escuros interiores com deslumbrante uso da luz e amplitudes da paisagem semiárida tisnada por um sol abrasador compondo um trabalho esteticamente lindo mesmo nas cenas mais...sanguinolentas.


Em quatro atos mesmo (que passam voando), #MarlinatheMurdererinFourActs, é uma fantasia muito bem conduzida que além de apresentar o cativeiro da opressão do feminino, reverbera em catarses de empoderamentos através de uma heroína inesquecível que, ao não se dobrar diante do julgo masculino, promove a ação, a reação e a redenção advinda da união feminal, tornando-se uma dessas pérolas cinematográficas onde, apenas uma choupana e uma estrada bastam para a construção de uma obra de arte.


TRAILER




Ps1; Disponível em VOD