logo.png
  • Cardoso Júnior

Em Pedaços- Alemanha- 2017

Atualizado: Ago 18


Como você se sentiria ou agiria se, de um momento para o outro, tivesse seu marido e filho violentamente assassinados?

É partindo dessa pergunta que o candidato da Alemanha para Melhor Filme Estrangeiro no Oscar 2018, vencedor do Globo de Ouro nessa categoria, além de ter dado com muita justiça à Diane Kruger o prêmio de melhor atriz em Cannes, aborda questões atuais e universais sobre xenofobia militante, injustiças do poder judiciário e as diversas maneiras de enfrentar as mais dolorosas perdas e como lidar com o luto.

O diretor e roteirista, Fatih Akin, que conhece bem a barreira social, o gigantesco barril de pólvora que separa alemães e turcos já tendo tratado deles em trabalhos anteriores como o vencedor do Urso de Ouro em 2004 com o espetacular “Contra Parede” e “Do outro Lado” que arrebanhou o Melhor Roteiro em Cannes 2007, todos apresentando tais questões e narrados sempre de forma impactante. Assim, esse seu mais novo trabalho “#AusdemNichts” segue a mesma linha partindo de um plot simples, porém dramático, que gera a conseqüente narrativa.

Dividido em três atos distintos (Família, Justiça, O Mar), que fragmentam o enredo sem, no entanto, retirar o pico de interesse do espectador conseguindo a proeza de, muito pelo contrário, aumentá-la vertiginosamente enquanto acompanha os estágios de recuperação psicológica da protagonista e sua imperiosa necessidade de fazer com que a justiça se cumpra, tornando-nos cúmplices de sua dor e decisões até que os créditos subam.

Certamente o plot não é exatamente inovador, pois muitos filmes já abordaram a temática, mas a direção de Fatih Akin, emprega closes e planos contemplativos alternando com um trabalho notável de câmera na mão que só fazem realçar a potente da atuação de Kruger que adentra a alma de sua personagem com tamanha força que deixamos de perceber a atriz e introjetamos e nos identificamos com a personagem em sua saga.

Assim, “In The Fade” torna-se trabalho diferenciado no gênero, surpreende muito no desfecho ao nos fazer ficar também em pedaços, cortando os pulsos diante da justiça dos homens uma vez que, desde o início, ficamos irremediavelmente conectados a mente e as dores da protagonista.

TRAILER

#Europa #Oscar2018 #Análise