logo.png
  • Cardoso Júnior

Perdidos no Espaço 1ª Temporada – EUA-2018

Atualizado: Ago 18


A primeira temporada de “Lost in Space”, produzida pela NETFLIX e lançada no dia 13 de abri/18, é um sci-fi recheado de suspense no mais alto grau, transformando esse reboot da série original dos anos sessenta numa verdadeira aventura cinematográfica. Verdade é que já haviam tentado resgatá-la através de uma animação nos anos setenta e insistido num filme nos anos noventa que nunca decolaram, para, só agora, finalmente acertarem a mão numa produção que em nada fica devendo a antiga criação de Irwin Allen, muito pelo contrário!

Claro que, 58 anos depois, com todos os recursos que o cinema adquiriu, a série se beneficia muito com a tecnologia atual, mas sem perder a sua essência ainda que abra mão da ingenuidade da predecessora o que é muito natural uma vez que, não só o mundo mudou como também as pessoas e o público em geral. Ao manter a famosa família Robinson no epicentro da trama e por dar mais vida, características e personalidade para cada um de seus sete icônicos integrantes/ personagens através de sempre curtos flashbacks é, com certeza, um grande ponto!

Reescrevê-la, transformando-a num ótimo e eletrizante Thriller de sobrevivência a qualquer custo através da união familiar, leva o espectador, desde o primeiro momento, para muita ação, suspense e adrenalina, sem dúvida alguma foi um grande acerto na proposta. Mas nem só o aprofundamento nas personalidades dos personagens centrais trás méritos bem como a mudança de gênero do vilão, transformando-o numa autêntica psicopata, é um enorme achado para provocar ojeriza no espectador enquanto, o outrora tão simplório e simpático robô,e trilha sonora portentosa, ganha conotação alienígena e misteriosa. Ponto!

Outro ponto positivo está no aproveitamento do “politicamente correto”, ao não retirar o protagonismo das mãos do carismático menininho medroso e inteligente, Will Robison, e sua relação infantil e amorosa com a máquina mortífera, mas também entregar às mulheres o papel decisório na narrativa (para o bem e para o mau), enquanto miscigena o elenco principal e de coadjuvantes trazendo uma correta visão etnológica para os personagens sempre envoltos em muito perigo, ações arriscadas e soluções brilhantes de ultima hora que, no terreno da ficção, são imediatamente perdoadas. Ponto!

O roteiro orgânico ao longo dos dez episódios com mais de uma hora cada, é amparado por um design de produção inteligente alterna ângulos nas cenas internas dando-nos a sensação de variedade cenográfica enquanto nas cenas externas o CGI permite e explora muito bem uma dimensão muito maior percorrendo cenários nevados, florestas bizarras, desertos maravilhosos, fauna e flora fascinantes e a imensidão no espaço cósmico. Ponto!

Com diálogos inteligentes e atuais, mas nada presunçosos e trilha sonora portentosa, você estranhará a falta da solidão da família Robinson no espaço como na obra original, mas ao fim do último episódio entenderá que essa primeira temporada ( esperamos que hajam muitas), é apenas um inteligente prefácio do que está por vir e que, certamente, voltará carregada de muito perigo, perigo, perigo.

TRAILER

#Hollywood #Análise #Séries