logo.png
  • Cardoso Júnior

Loucas de Alegria - Itália-2016

Atualizado: Ago 17


Paolo Virze que, em 2014, chegou ao Top Five do Oscar com o ótimo “Capital Inicial” com sua mordaz crítica a sociedade capitalista atual, surge agora com este não menos importante (mas menos contundente), trabalho sobre depressão e a segregação social que sofrem as vitimas deste mal do século.

Inteligentemente alternando gêneros como dramas muito profundos e comédia leve, o interessantíssimo roteiro tem exatamente, neste perfeito equilíbrio, seu maior mérito por aliviar sem nunca desviar do drama real das protagonistas centrais.

“Loucas de Alegria” que estreou no Brasil timidamente em 1º de Setembro/2016, além de ser mais uma prova cabal do ótimo momento que vive o cinema Italiano, também é um show a parte de interpretações impressionantes e cativantes.

Com um enfoque mais “hollywoodiano” a junção de duas protagonistas díspares que fogem de um hospital psiquiátrico, contém em si, uma sutil critica social tão cara ao diretor, propiciando um das duas melhores interpretações deste ano.

Valéria Bruni, com sua “Beatrice” bipolar em estado constante de euforia e suas frases repletas de preconceitos de classe em contraponto com Micaela Ramazzotti na pele da deprimida e marginalizada Donatella, elevam este longa sério à categoria de delicioso.

Há muito que ver, perceber, emocionar e divertir-se em “Loucas de Alegria” com o embate e a amizade de duas personas tão distintas, com a complexidade psicológica e a doce loucura de seres “banidos’ do convívio entre os “normais”.

TRAILER

#Europa #Análise